sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Saia indiana

Eu a vejo o dia todo
E pensava nela diariamente no passado.
Ela lê livros que não a prende,
Os olhos voam sobre as letras sem síntese
Enquanto coça a cabeça de cabelos curtos.

Ela lê e escreve, coisas que não aprendera no prézinho.
Teve a mãe como a primeira professora, além de mãe.
Costuma sorrir para o espelho, vestir saia indiana
E sempre vê beleza nas flores que não recebe...
Moças que recebem flores são aquelas dos sonhos de homens frouxos.

E usando uma onomatopeia qualquer,
Como uhmmm... pensa que isto tudo escrito
Não seja uma auto definição
Mas por mais que não, talvez a defini.


Jordana Braz

4 comentários:

Aislin Nahimana disse...

Hum... muito bonito!
bjosss!!!


http://aislinnahimana.blogger.com.br

carolina abdalla disse...

muuito bom jo :D. "Os olhos voam sobre as letras sem síntese" e booa frase! beiijocas!

O lado quente do ser disse...

Muito bom.

ótima semana

Aislin Nahimana disse...

Oi moça!
to passando pra te desejar uma ótima semana!

http://aislinnahimana.blogger.com.br/