sábado, 7 de março de 2009

Pequena, poucos e simples

Conheço romance pelos livros,
Vivo os amores de música, sinto mãos dadas nas pinturas
Apenas assim... minhas mãos são sempre vazias.
Os olhares voltados à mim vejo de momento
E se vão com a mudança de cor do farol.
Meu rosto marca que espero um amor amado...
Certeza.

Amor de alma, aquele que nunca muda.
Nem para ódio, nem para compaixão.
Pleno e amigo... tão simples, tão paciente
E tão sincero que me magoaria pela verdade
E nunca por uma mentira.

Eu só sei amar assim,
Um amor confiado... Que se ganha com o tempo.
Não um simples encantamento, não existe amor á primeira vista.
Amor assim é fingido... Amor de um vasto coração leviano.

Sou de pequena, poucos e simples:
Pequena família, poucos amigos e da simplicidade de um homem
Que ainda não conheci.

"E para os dias de amores confiados em vão, só a desventura da ilusão;
Que passa com os segundos das horas e que evapora com o fervor do otimismo."

Meu coração me disse isso.


Jordana Braz

4 comentários:

O lado quente do ser disse...

amor,amor,amor
Blah, estava ouvindo uma músicas a uns dias que me deu um plin! na hora, uma vontade de falar sobre, de "o amor".... haa mas, na hora nem dava e depois nem sabia mais o que falar, na verdade nunca sei, mas se referido a esse assunto, devo ter bloqueios, só pode. Rsrsrs
ótimo texto e boa sorte na encontra de um príncipe ^^
braços meu bem!
=*
múa
=*

Um cara ai disse...

estranho é quando vc se sente vitima do que sabe que é perigoso e erroneo
enfim, deixei o "amor" na sala de espera
estou em reforma, haha

mas adorei o texto, entre conteudo e forma, não da pra escolher o que é melhor
bacana mesmo =D

beijos, boa sorte na sua busca o/

Rosa Canela disse...

Nossa um tempão sem passar por aqui ...lindooo seu poema hoje ..queria saber amar assim ..acho que na verdade eu ate sei ..mais não ando praticando muito ..

Saudades das suas palavras

Beijos

Rosa Canela

Paloma. disse...

Ainda não sei definir o gostinho das tuas palavras. É estranhinho bom... =P