quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Pombinha branca

Ele nasceu homem mas percebeu que era apenas um menino quando ao lado de uma mulher, fez-se tímido. Ela, que é uma mulher, se vê moça ao lado de um homem e uma menina gorda que de hora em hora, come para nutrir a ansiedade. Ela e Ele, desajeitados porém namorados; até quem não os conhece, sabe que existe uma felicidade que o sorriso e os olhos não escondem. Uma saudade ansiosa de menina gorda brota dentro da mulher quando ela não o vê; tudo assim ia... Tudo assim vai: daqui até o Paraguai, Uruguai, Xangai e até o corpo cansado começar a sentir"Ai!". É namoro novo, possui crises infantis, ciúmes juvenis e um companheirismo tão idoso... Cheira bem! Ela conversa com os cachorros da rua enquanto Ele fuma. Ele brisa olhando a rua e Ela, nua. Não, o caso deles não é físico; é um barato ter alguém só na palavra. Palavras... as mesmas que concordam e discordam; nem na felicidade tudo é um mar de rosas. O mar da felicidade é azul, da cor do mar mesmo, real. Felicidade sem lucidez não é felicidade, é mentira. Ela discorda dele, Ele discorda dela, porém, isso é normal. Eles não são um só e se um dia chegar a ser um, esse um será outra pessoa. Ele pensa em ter filhos. Ela quer cachorros e filhos. Será? É cedo! É lindo! "É o que ele quer", ela diz!

Feliz.



Jordana Braz

4 comentários:

Jenifer&Jerferson disse...

Adorei seu blog!
Jenifer

-rayane- disse...

Que lindo!
Sentia falta das tuas palavras, há tempos não passava por aqui e vejo o qnt perdi!

há-abraços!

Jão disse...

linnndo texto...

me vi um pouco nele...

jumuniz disse...

casal fofo
tomara que durem até velhinhos! ;)
linda a história.
bjo