terça-feira, 22 de julho de 2008

Músicas de rodoviárias

Quando a cabeça fica vazia;
Quando a mão esfria;
Quando ao andar,
O chão fica macio...
Feito algodão.

E nesta hora;
As horas não existem.
Se faz como trilha sonora, música de rodoviária...
Rodoviárias são tristes;
Rodoviárias têm músicas tristes;
Nas suas paradas de trinta minutos.

E seus ônibus...
Seus ônibus e suas pessoas;
Seus ônibus e suas esperas;
Esperas e suas saudades;
E saudades e suas distâncias;

Histórias diversas em um único espaço;
E personagens à espera de quem os espera;
E ainda assim, as músicas de rodoviária são tristes.
Talvez pra mim;
Que volto sempre faltando uma parte...
Sendo essa parte
Meu coração.

8 comentários:

Byers disse...

Gostei do seu poema sobre as músicas de rodoviarias, eh bem simples, sem muita metafora...

Show,

Mas so uma dica, procura deixar a cor do corpo dos post em uma cor diferente da do fundo para não ficar confuso...

Beijao! boa sorte.

Strike... The Son of Fury... disse...

cada dia mais triste ou mais distante dessa merda que chamamos de mundo... ???

fico bom gostei ^^V

ae quando nos esbaramos ???

DuDu Magalhães disse...

Acho que não entendi...

Simplesmente viajei...

A música é a vida?

Byers disse...

Rs que bom que gostou das minhas sujestoes.

Assim como eu gostei dos teus poemas.

Se quiser flor, eu te ajudo com o layout.

( O ULTIMO PINGUIM ) disse...

bom... gostei, ficou simples mas atrativo e é o que importa, beijo!

Byers disse...

anota ae flor

binho_byers@hotmail.com

Pierre disse...

Rodoviárias, rodoviários...
Um karma !

Pierre disse...

*rodoviárias