terça-feira, 8 de julho de 2008

Infinita ansiedade.

Engraçado;
Eu sou meu futuro de 10 anos atrás.
E meu passado daqui a poucos segundos...
Acredite, odeio cálculos;
Mas a vida é uma matemática!
Tão difícil quanto geometrias e suas hipotenusas...
Hipotesudas... bem piadinha de professores de cursinho...
Catetos, congruentes e suas fórmulas.
Cadê a fórmula da juventude?
Infinitamente...
Aí a vida deixa de ser matemática;
Números são infinitos!

E finita é minha ansiedade;
O que foi me reservado?
Programamos um programa já programado.
A vida?
Sim!

Uma carta de remetente incógnita
Para seus destinatários...
Temerosos;
Embora não confessem...
Alguns guardam suas cartas debaixo do colchão...
Outros deixam os outros lerem...
Por pura preguiça!
Há outros que fazem de suas cartas;
O melhor presente do mundo!
Cartas de amor;
Quem já recebeu, sabe como é!
Lê, lê, lê até decorar!
Outros rasgam.
Queimam.
Deixam virar cinzas.

Finita Ansiedade
Quanto tempo tem meu tempo?
Finita Ansiedade
Vou ser grata ao meu Hoje?
Finita Ansiedade...
Lá já sei de tudo isso.

Minha carta coloquei em uma moldura.
Leio quando posso
Eu ainda não a entendo
Mas quem vou encontrar lá, entende...

Lá já sei de tudo.

4 comentários:

Y a s h a disse...

Gostei bastante do blog. Os tipos de textos que me prende do início ao fim.

É engraçado realmente saber que quando eu acabar de escrever, o escrito vai ser passado, e o meu sonho de hoje é futuro, que logo será passado também.
Tudo acontece tão de repente como o dia sucede a noite.
Sou das que fazem das cartas o melhor presente, e as lê tanto que acaba por saber décor mesmo.
Cada um tem seu tanto de ansiedade, acredito. Eu sou um tanto mais.
Mas,
'Quanto tempo tem meu tempo?'
'Vou ser grata ao meu Hoje?'
Não acho que devamos pensar em tempo, devemos simplesmente viver, sem cronômetros. Esperar nunca foi tão bom.
Ser grata ao hoje é relativo, ele passa tão rápido, e é esquecido um tanto mais rápido, que nem há tempo direito a se pensar.

O final...
Não teria como ter acabado melhor.
Coloquemos então nossas cartas em molduras. haha.

beijos.


http://www.l-a-b-i-r-i-n-t-o.blogspot.com/

adrianoassis disse...

Gostei do blog e do post

Confuso (pelo menos pra mim), mas interessante.

Parabéns.

dani cabrera disse...

Ei Jordana! Muito bom!
No teu parâmetro sou uma infinidade de ansiedade! rs

E pra falar a verdade eu gosto de ser assim, porque é desse jeito que eu não perco os bons detalhes da vida, nem a intensidade do que de verdade importa. É bom ser nova, tenho uma sede de vida que eu nem sei te explicar, parece que quando a gente ama e planeja coisas, e vê os sonhos mais possíveis de acontecer, o ar se torna cheio demais, o chão parece macio, até as piadas sem graça despertam sorriso... Dá uma alegria só de olhar pra cores... Não sei bem te dizer como isso acontece. Mas eu sei que acontece. E é vida. Sede, e amor por tudo.

Honra é a minha ao te ter ali!
Você vai ser bem-vinda todas as vezes que voltar!!!

Um beijo bem grandão pra você!
E que teu restinho de semana seja lindo, lindo, lindo! : )

Edimara disse...

adorei seu blog


visita o meu se der...

madrigal.zip.net