sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Ócio

Nunca existiu outro alguém. Talvez eu preferi que existisse alguém, mesmo que na minha mente, para não assumir o tanto que você esteve em mim. É confuso, eu sei. Ao querer te enganar, enganei a mim mesma. Quis que você ficasse por eu estar aqui, quis a sua companhia até o fim. Que apego é este que não deixa eu perceber a efemeridade da vida? Você foi um momento, meses no qual não esquecerei tão fácil, um amigo desses que queremos como um amante, mas que o amor se fez fraterno. Aliás, não disse o quão fraca sinto por sempre escutar " eu não soube te amar". Existem homens que não sabem amar ou existem mulheres que não sabem fazer serem amadas? Cansei de buscar explicações e me contento com o " não era para ser". É um ócio, é um vício, é um desespero de sentir algum sentimento que não tenha sentido. Paixão tem sentido?






Jordana Braz

2 comentários:

-rayane- disse...

O amor é tão mais fatal do que eu havia pensado, o amor é tão mais inerente quanto a própria carência, e nós somos garantidos por uma necessidade que se renovará continuamente. O amor já está, está sempre. Falta apenas o golpe da graça - que se chama paixão.
Lispector
Não sei se paixão faz sentido, mas pr que entender tanto né?! Apenas viver basta! beijas

. disse...

"Talvez eu preferi que existisse alguém, mesmo que na minha mente, para não assumir o tanto que você esteve em mim."
... e quantas vezes já fiz isso!

É Jordana, acho que a paixão não tem sentido até pq paixão precisa ser mesmo assim, SEM SENTIDO.

Beijos!