quarta-feira, 6 de agosto de 2008

O laço.

Te fiz num laço
Onde a cada nó feito
Votos sinceros foram despejados
E deles o mínimo esperado era amizade.

Te fiz com a fita mais bonita,
Na sua cor preferida
E ao olhar pra você, meu laço
Despejei erroniamente todo o meu ser.
Literalmente...

E que ironia: O laço desfez!
Justo em um aniversário.
Meu aniversário...

Ó meu laço!
E eu que havia pensado que você seria resistente...
Já que o fiz com maestria,
Maestria essa que desconhecia em mim.
Uma maestria falha.
Já que meu laço se desfez na minha mão...

E essa mão, meu caro laço?
Te preservei tanto
Que não percebi quando formou
O primeiro calo.
O primeiro de muitos calos que hoje,
Estão nas duas mãos.

As mesmas que um dia foram lindas.
As mesmas que ficavam frias na partida.
E quentes ao seu toque no cinema.
E que hoje sinaliza que o fim,
Para elas, chegaram.

Cansaram de esperar.
Cansaram de escrever.
Cansaram de mostrar.
Cansaram de buscar algo em vão.

Então, para o meu laço fica esta escrita.
Uma recordação daquelas mãos
E mesmo que seja indiferente escrever
Mesmo que pela última vez, saiba:
Você foi meu laço mais amado.
Talvez o maior amor da minha vida.
E como quanto maior a altura, maior a queda...
Ao se desfazer, você foi a minha maior tristeza.

8 comentários:

Fernanda Santiago Valente disse...

Que perfeito!
Amo poemas...
e este é tão real...
Parabéns!

Boneca de Plástico disse...

Absurdamente triste e valendo tanto pra mim hj!Obrigada pela dica e pelo comentário!Tá difícil msm pra mim!Pra nós né!Feliz aniversário c foi ontem!Bjos me visite sempre!

Marta disse...

Gostei, quem não tem laços ?
Há uma música de uma banda portuguesa que fala de laços, deixo aqui a letra, e aconselho-a a ouvir, pois tem a ver com o seu poema de certa forma:


LAÇOS - TORANJA

Andamos em voltas rectas
Na mesma esfera
Onde ao menos nos vemos
Porque o fumo passou

A chuva no chão revela
Os olhos por trás
Há que levar o restolho
Do que o tempo queimou

Tens fios de mais
A prender-te as cordas
Mas podes vir amanhã
Acreditar no mesmo deus

Tens riscos de mais
A estragar-me o quadro.
Se queres vir amanhã
Acreditar no mesmo deus

Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços...

Andamos em voltas rectas
Na mesma esfera
Mas podes vir amanhã
Se queres vir amanhã
Podes vir amanhã

Tens riscos de mais
A estragar-me a pedra
Mas se vieres sem corpo
À procura de luz

Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços...

Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
Devolve-me os laços, meu amor!
meu amor... meu amor... meu amor...

Marta disse...

Ainda bem que gostou :)
Se quiser envio-lhe a música com todo o prazer.

Grata pelo seu simpático, e sincero comentário ;)

camisama disse...

oi jo..... nossa realmente esta foi do fundo do pancreas rs... mas falando serio... como já dissermos uma a outra.. vc expressa e deixa seu coração falar quando escreve... guarde as boas lembranças... sempre... ~elas foram necess~´arias para o que vc é hoje... e se vc não tivesse passado... não terei escrito textos tão belos.... abraços

Um cara ai disse...

nossa, haha, que vergonha, que erro gramatical grotesco que cometi no comentario que fiz no post mais recente =X

seus versos são otimos, tão concisos e agradaveis, vou te adicionar aos favoritos do meu blog, tudo bem?

beijo

Felipe disse...

Deixarei de visitar seu blog... apesar de gostar muito da forma como escreve, me sinto triste no final de cada texto....

Acabo me percebendo como "alvo" ou base para eles... desculpe a arrogância se eu estiver enganado... penso que sua vida não se restringe a mim, espero que assim não seja... e se fôr.. que você consiga se livrar desta mão que te aperta.

não quero que você pare de escrever, nem te peço para mudar o jeito de se expressar, só não acompanharei mais,

não me faz bem.

as palavras são belas, mas são tristes. de forma particular

as vezes eu choro sem querer chorar...

procuro evitar.

Sara Juice Fruit disse...

Muito bonito ... e sincero!